Suriname e as Guianas: conheça os países "esquecidos" pelos viajantes

Localizados na fronteira com o Brasil, Suriname, Guiana e Guiana Francesa são bem diferentes dos vizinhos sul-americanos
Países surpreendem pela cultura exótica

Os turistas que viajam pela América do Sul dificilmente saem dos circuitos tradicionais, que incluem lugares famosos de países como Argentina, Chile, Peru, Uruguai e Colômbia. No entanto, há um grupo de três países que muita gente sequer lembra que fica no continente, mas que também pode surpreender os turistas mais desavisados. Trata-se do trio Guiana, Guiana Francesa e Suriname, países vizinhos do Brasil, mas com características completamente diferentes.

A começar pelo idioma. Nenhum deles fala português, nem tampouco espanhol. Enquanto o Suriname adota o holandês como idioma oficial, a Guiana fala inglês, e a Guiana Francesa utiliza o idioma que carrega no nome. Mas as diferenças para o resto da América do Sul não param por aí.

Os reflexos da colonização estão por todas as partes. No Suriname, é fácil perceber a influência holandesa na capital, Paramaribo. Com cerca de 230 mil habitantes, essa é a maior cidade do país. O grande destaque é seu centro histórico, muito bem preservado e repleto de construções com arquitetura típica da Cultura Holandesa. Aproveite para conhecer a famosa Catedral de São Pedro e São Paulo, o maior cartão-postal do Suriname.

Outro local emblemático da capital surinemesa é o Forte Zeelandia, uma fortaleza erguida às margens do Rio Suriname no século 17. Para entender a diversidade cultural deste miscigenado país, visite a Mesquita do Suriname, e a sinagoga Neveh Shalom Jewish, que fica exatamente ao lado. Ambas no Centro Histórico.

O país mais fácil de chegar a partir do Brasil é a Guiana, já que tem conexão por terra com o Brasil, e pode ser acessado através de Roraima. Vale lembrar que o Monte Roraima fica exatamente nessa fronteira, e é uma ótima opção de ecoturismo nessa região (vale esticar o roteiro até a Venezuela).

A cidade da Guiana mais próxima à Roraima é Lethem, que fica logo depois da fronteira. Aliás, é preciso tomar cuidado, pois basta atravessar essa divisa para que as estradas transformem-se em mão inglesa (Guiana foi colonizada pelos britânicos). A grande atração de Lethem é o turismo de compras, já que a pequena vila é repleta de lojinhas e pequenos centros comerciais que vendem de tudo - desde roupas e perfumes até alimentos. Mas muitos são de qualidade duvidosa.

A capital Georgetown fica no outro extremo do país, no litoral. Ir dirigindo é algo praticamente impossível, já que as estradas são de péssimas condições. No entanto, Lethem possui um pequeno aeroporto, com voos frequentes para Georgetown. As passagens não são muito caras.

Em Georgetown, as principais atrações turísticas também se relacionam com a diversidade cultural do país. Na cidade, há diversas mesquitas que demonstram a influência muçulmana na população da Guiana. No centro, não deixe de visitar a Catedral de St. George, o principal cartão-postal da capital. Para conhecer a história desse exótico país, também conheça o Museu Nacional da Guiana, também em Georgetown.

No entanto, o ponto turístico mais famoso da Guiana são as Cataratas de Kaieteur. Trata-se da sexta maior cachoeira do mundo, composta por um grande conjunto de quedas d'águas que ficam na região central do país. São nada menos que 113 metros de largura e 228 metros de queda livre com um volume impressionante. As cataratas são protegidas pelo Parque Nacional de Kaieteur, e o acesso não é muito fácil. Para chegar lá, consulte agências de viagem em Lethem, Georgetown, ou até mesmo em Boa Vista (Roraima).

Já a Guiana Francesa tem a menor população dos três países. São apenas cerca de 250 mil habitantes concentrados principalmente na capital, Caiena. A cidade é organizada, e ainda preserva algumas influências da cultura francesa (a Guiana Francesa é, até hoje, um território dependente da França). O coração de Caiena é a Place des Palmistes, uma espécie de Esplanada dos Ministérios da capital.

Outra cidade bastante povoada da Guiana Francesa é Kourou. O município se desenvolveu graças a presença de uma estação espacial, construída pela Agência Espacial Europeia nos anos 1960. Hoje, há visitas guiadas e até um museu sobre astronomia no local.

Para quem gosta de praias, visitar o arquipélago das Îles du Salut é indispensável. Vale lembrar que a Guiana fica incrustada entre o Mar do Caribe e as águas mornas do Nordeste. Praias paradisíacas não faltam nessas ilhas, que não ficam muito longe da capital.

Como chegar

Como dissemos acima, para chegar na Guiana, basta atravessar a fronteira com Roraima, que tem estradas bem pavimentadas. Outra boa opção é começar o roteiro pela Guiana Francesa, que fica do outro lado do Rio Oiapoque. Basta pegar um barco na cidade homônima, no Amapá, e desembarcar no lado oposto do rio. Lembrando que a Guiana Francesa exige visto, e os outros dois países exigem passaporte.

GOSTOU DA MATÉRIA?

9
1
0
3

Siga a gente

Não perca nada do Pureviagem siga a gente no Facebook e Twitter:

As mais lidas

Brasil fantástico: confira 30 paisagens brasileiras espetaculares
Brasil fantástico: confira 30 paisagens brasileiras espetaculares

Das Cataratas do Iguaçu aos Lençóis Maranhenses, passando pelo Pantanal, selecionamos 30 paisagens das cinco regiões do país para contemplar e inspirar a viajar pelo Brasil

Conheça o Paraíso Perdido, complexo com 18 piscinas naturais em MG
Conheça o Paraíso Perdido, complexo com 18 piscinas naturais em MG

Local foi descoberto na década de 1960, e desde então, atrai ecoturistas por suas belezas naturais. São 18 piscinas, oito cachoeiras e inúmeras opções de passeios

Maragogi: confira os encantos do "Caribe Brasileiro"
Maragogi: confira os encantos do "Caribe Brasileiro"

O destino alagoano oferece piscinas naturais, praias de águas cristalinas, boa gastronomia e atividades para todos os tipos de viajantes

Comente!

comments powered by Disqus